Arquivo do mês: julho 2011

Por que dá choque quando aperta a mão?

Isso tem acontecido bastante comigo ultimamente.
É só chegar perto e o toque na outra pessoa dá choque.
Por que isso acontece?
Muito boa explicação achei no Portal Terra.

Fonte: http://noticias.terra.com.br/educacao/vocesabia/interna/0,,OI2952887-EI8408,00.html

Quantas vezes você apertou a mão de alguém ou abriu a porta de um carro e tomou um choque? Esse desconforto acontece quando a carga estática de uma pessoa está diferente de outra, ou seja, um está mais “carregado”. Nessa situação, o contato físico resulta em uma troca de cargas elétricas.
Essa sensação não traz maiores danos, até porque a corrente gerada é muito baixa, explica a professora Gabriela Hoff, da Faculdade de Física da PUC-RS. “Cada corpo com acúmulo de carga apresenta um potencial diferente. Quando em contato, estes corpos propiciam a passagem de carga em função do tempo, ou seja, corrente elétrica”, explica ela.
Os choques deste tipo são mais comuns no inverno, quando muita gente usa roupas de lã sintética, material que mantém a carga elétrica. Se a pessoa está descalça, essa corrente é liberada aos poucos e não chega a ser percebida. Porém, se a pessoa está com um calçado com solado de borracha, que serve como isolante, ela acumula maior carga. Nesse caso, um simples aperto de mão em outra que não tem a mesma carga estática podem fazer com que ambas sintam um leve choque, pois o excedente de carga em uma das pessoas se distribui, passando parcialmente para a outra.
O mesmo princípio acontece quando encostamos em um carro. Se estivermos com acúmulo de carga elétrica, ao tocarmos na porta do automóvel também sentimos o choque, pois o carro acumula carga ao se movimentar. O atrito com o ar faz com que a carga elétrica fique na superfície externa do carro, que é de metal.
Mas, afinal, o choque é o mesmo para todo mundo? Não, responde a professora Gabriela, que exemplifica que o choque pode ser em maior intensidade e dor para duas pessoas expostas a uma mesma correntetensão de 110 Volts. A explicação é a resistência do circuito e até a parte do corpo que foi exposta ao choque: se encostar um dedo em uma tomada, o choque é maior do que se o contato for com a mão, pois nesse último caso há uma maior dispersão. Além disso, cada pessoa apresenta uma resistência diferente, pois cada indivíduo e composto por proporções diferentes entre os tecidos que formam o corpo.
O valor mínimo de corrente que uma pessoa pode perceber é 1 mA (miliampère). Com uma corrente de 10 mA, a pessoa perde o controle dos músculos, sendo difícil abrir as mãos para se livrar do contato. O valor mortal está compreendido entre 10 mA e 3 A, dependendo se a corrente é contínua ou alternada, os efeitos variam.

E você, também passa por isso de vez em quando?

Anúncios

Somos quem queremos ser

Vou usar um aprendizado do futebol para fazer uma pequena pergunta.
Será que podemos alcançar um lugar melhor sem almejar um lugar melhor?

Somos quem podemos ser...

Não é O Segredo...

Cada vez mais, entendo que a vida deve ser levada em paz, no esquema deixa a vida me levar.
É claro que os desafios da vida geram muitos conflitos, e algumas pessoas se perdem. Por exemplo, perdemos nesse final de semana uma jovem artista brilhante, Amy Winehouse, que sempre pareceu sem rumo, mas com um talento fantástico.
Aqueles que me conhecem sabem o quanto sou apaixonado pelo Inter, meu time do coração, o Campeão de Tudo lá de Porto Alegre. Hoje o Colorado jogou contra o melhor time do mundo, o bicho papão Barcelona. PErder, ganhar, tanto faz. Tem outra coisa que merece atenção: foco, direção, ambição.
O mais recente campeão do mundial de clubes da FIFA joga bonito, ganha quase sempre, é organizado desde as divisões de base, tem o maior número de sócios pagantes, tem estádio fantástico, é rico e poderoso. Um exemplo a ser seguido.
E nós, como somos?
Qual nossa ambição?
Não falo aqui apenas do meu time do coração. Falo do nosso país. O que queremos? Um pouco de música alta de baixa qualidade para cada cidadão? Dois latões de cerveja por dia? Um empreguinho que não não dê muito trabalho? Um chefe condescendente com nossas falhas? Um rouba aqui, uma moleza ali?
Será que essa falta de ambição de termos um país mais justo, menos desigual, mais equânime, menos ignorante realmente não é prioridade?
Essa ambição só se aplica quando nossa seleção canarinho está em campo. Deveríamos querer isso sempre, em todas as áreas. Nas nossas empresas, nos nossos negócios, nos serviços públicos.
Já pensou se fôssemos o “Barcelona” em educação, ciência, tecnologia, inovação, serviços públicos, mobilidade urbana?
Por que não podemos ambicionar isso?
É por conta do complexo de vira-lata tão bem explicitado por Nelson Rodrigues?
Nós podemos ser tudo isso. Exige trabalho, esforço, enfrentamento de questões menores, sem importância.
Mesmo com tudo isso, seria difícil em alguns momentos, mas o desafio de buscar melhoria mais rapidamente é um ânimo que poderia nos contaminar, nesse momento de valorização da dinâmica econômica e social do Brasil perante o mundo. Mas parece que nem as gerações que estão nascendo agora terão a oportunidade de ver um país como sonhamos alguns.
Como diminuir com a violência, a ignorância, a injustiça, a incapacidade dos serviços públicos, a corrupção, a mesquinharia, os desmandos, as lideranças maléficas? Em 10 anos podemos conseguir isso, a partir de algum tipo de iniciativa, ou estamos fadados a mantermos a alcunha de “país do futuro”?
Será que a solução é irmos todos morar em Miami ou Barcelona?

A cidade para as pessoas


Uma das lições mais importantes a serem aprendidas nos países nórdicos é a importância que o cidadão assume na organização da cidade.
Conforme a lógica de Jan Gehl, principal artíficie da transformação de Copenhagen, as cidades devem priorizar as pessoas, e isso está presente nas cidades que visitamos na Finlândia, na Suécia e na Dinamarca de modo impressionante, seja na mobilidade urbana, com privilégios ao pedestre e ao ciclista, estações multimodais com acesso de ônibus, trens urbanos e veículos leves sobre trilhos, mas também nas calçadas, nas praças, nos parques, em todos os espaços urbanos. Isso é Inovação!
Esse tipo de evolução gera um efeito positivo no entendimento que as pessoas tem de sua condição de iguais em relação aos semelhantes, sem distinção por classe social ou qualquer outro tipo de preconceito, que representa, na verdade, atraso. É sinal de desenvolvimento.


A lógica cidadã também está presente nos aeroportos, enxutos e eficientes, com disponibilidade de transporte público, nas estações de trem, nos pontos de ônibus, nos estacionamentos para bicicletas. Todas as iniciativas são integradas e geram como efeitos: gente na rua caminhando, comércio de rua (não apenas em shopping centers), famílias e jovens nos parques e praças, bicicletas, skates, pick-nicks na grama. Os serviços públicos são benéficos ao cidadão, geram efeitos claros. São cidades melhores para viver.
Os parques tecnológicos também promovem essa lógica.

Muito interessante. Visite: http://www.cidadesparapessoas.com.br/
Os projetos de mobilidade urbana de Salvador: Visite: http://g1.globo.com/bahia/noticia/2011/07/conheca-os-projetos-em-pauta-para-melhorar-mobilidade-em-salvador.html